O cenário de perdas para os trabalhadores brasileiros que ora existe no país, faz com que o Dia do Trabalho deste ano seja antes uma data de protesto do que de comemoração.
Os tempos atuais são de extremo retrocesso em direitos, o que nos serve de alerta e de convocação para o combate político contra as forças que se uniram para prejudicar os nossos trabalhadores.
A Reforma Trabalhista, levada a efeito no final do ano por meio da Lei nº 13.467/2017, possuía dispositivos que deveriam ter sido vetados pelo presidente, que não o fez, mediante promessa de uma Medida Provisória que efetuaria os necessários reparos.
Ocorre que a MP caiu e o texto original permaneceu como estava.
O que afirmo aos trabalhadores brasileiros nesta data de luta é que estarei atuante no Congresso para defendê-los e buscar medidas que corrijam os graves erros contidos na Reforma.